Outras Notícias

« Voltar

Ministro Moreira Franco participa do lançamento do Finame Energias Renováveis

Ministro Moreira Franco participa do lançamento do Finame Energias Renováveis

Programa do BNDES vai apoiar investimentos em energias renováveis

Publicação: 27/09/2018 | 21:31

Última modificação: 28/09/2018 | 10:47

Crédito: Saulo Cruz/MME

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou nesta quinta-feira (27), com a presença do presidente Michel Temer e do ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, o Finame Energias Renováveis, para apoiar investimentos em energias limpas. O orçamento inicial é de R$ 2 bilhões.

Em seu discurso, Moreira Franco falou sobre a importância das energias renováveis e destacou que elas representam atualmente 82% da matriz energética brasileira. O ministro afirmou que a Pasta trabalha para fortalecer e ampliar a possibilidade de se conviver com a energia limpa no Brasil, ter abundancia no fornecimento e diminuir o preço.

Ao falar sobre o preço da energia, Moreira Franco voltou a defender redução de subsídios pagos pelos consumidores na conta de luz. “As pessoas não percebem o quanto estão pagando de subsídio. Essa iniciativa de hoje é extremamente importante porque é uma contribuição efetiva, concreta e objetiva para que possamos cumprir esse terceiro ponto do MME, que é garantir a energia barata, energia a preço justo, sem pagar pelo que não consumimos. E sobretudo, começar a ter a possibilidade de não dividir em 50% o que se consome e os outros 50% sendo pagos em impostos e subsídios”, disse.

Crédito para energia limpa

Com a linha Finame Energia Renovável, os clientes — condomínios, empresas, cooperativas, produtores rurais e pessoas físicas — podem financiar, junto a bancos privados, públicos e agências de fomento até 100% do total a ser aplicado nos equipamentos, com prazos de pagamento de até 120 meses e carência de até 24 meses. A linha já está em operação para financiar equipamentos como sistemas de geração de energia solar de até 375 KW, de energia eólica de até 100 KW e de aquecimento de água por meio de placas coletoras solares.

O financiamento do programa pode ser corrigido por TLP, Selic ou, no caso de MPME, Taxa Fixa do BNDES. O custo final inclui a remuneração do BNDES — de 1,05% ao ano — e a do agente financeiro. Considerando o spread médio dos repassadores de crédito no BNDES Finame para micro, pequenas e médias empresas, a taxa final projetada é de, aproximadamente, 1,3% ao mês. A partir do envio da proposta pelo agente financeiro, a aprovação da operação é feita em poucos segundos através da plataforma BNDES Online.

Os equipamentos a serem financiados devem estar habilitados para esta linha de financiamento na base do BNDES, que exige que sejam novos, nacionais e cumpram requisitos de conteúdo local. Com isso, a iniciativa contribui diretamente para a estruturação da cadeia produtiva de fornecedores de equipamentos de geração de energia renovável.

Além de contribuir para o meio ambiente, já que se tratam de meios de geração de energia limpa, os consumidores poderão reduzir seus gastos com a conta de luz e, dependendo da região, trocar o excedente por créditos a serem utilizados futuramente. A multiplicação dos pontos de geração provê segurança e benefício para o sistema elétrico, reduzindo o risco de interrupção do fornecimento de energia.

Fundo Clima

No evento também foi anunciado o aporte de R$ 228 milhões para novos financiamentos do programa Fundo Clima – Linha Máquinas e Equipamentos Eficiente, lançado em junho para financiar investimentos em sistemas fotovoltaicos, permitindo o acesso inclusive de pessoas físicas. O resultado foi exitoso: cerca de R$ 80 milhões em financiamentos aprovados em menos de 2 meses.

Agora, o novo aporte de R$ 228 milhões vai possibilitar a reabertura do Fundo Clima para pedidos de financiamento. Além de sistemas fotovoltaicos, a linha pode financiar aerogeradores de pequeno porte, geradores de energia a biogás e inversores de frequência. Os financiamentos do Fundo Clima devem ser feitos junto a bancos públicos e a taxa de juros é de até 4,5% ao ano, com prazo máximo de até 12 anos.

*Com informações do BNDES

 

Assessoria de Comunicação Social
Ministério de Minas e Energia
(61) 2032-5620

ascom@mme.gov.br
www.mme.gov.br

www.twitter.com/Minas_Energia
www.facebook.com/minaseenergia